segunda-feira, maio 12, 2008

segunda-feira, maio 12, 2008

O Alazão


Um belo alazão, selvagem, não reconhece dono, não se deixa domar, muito menos montar, corre livre e solto pelos campos, sem arreios, sem cabresto.

Às vezes se aquieta em algum canto para pastar, mas só por alguns instantes, logo o vento muda de direção e lá se vai ele a galope, ligeiro, atrás de outras pastagens, para saciar suas vontades.

É assim meu coração; igualzinho a esse Alazão.