quinta-feira, janeiro 24, 2008

quinta-feira, janeiro 24, 2008

O Jogo da Vida


Vivia a vida como se jogasse pôquer, apostava muito, a cada rodada se arriscava mais.

Naquela noite o cacife era alto, resolveu apostar todas as suas fichas, seria tudo ou nada...

Blefou, pagaram para ver, deu o “nada”, perdeu tudo.

Aprendeu que só ganha quem sabe blefar melhor.

Hoje joga “paciência”, apenas.


(variações sobre o mesmo tema, leiam: Edson Marques e Paula Barros)