quarta-feira, outubro 31, 2007

quarta-feira, outubro 31, 2007

Eu Acredito Em Bruxas!



Dia das Bruxas ou Halloween

Halloween é o ano novo das bruxas, segundo uma tradição que começou há mais ou menos 2000 anos. Desde aquela época, os celtas (antigo povo da Europa) comemoravam o ano novo dos druidas (sacerdotes celtas) no dia 1º de novembro. Na noite anterior, pintavam o corpo, contavam suas experiências e agradeciam a colheita do ano. Era o Samhaim, o término do verão - e as chamas de uma fogueira simbolizavam o sol que seria escasso durante o inverno rigoroso, marcado por um longo período de escuridão. Nessa noite, eram abertas as portas de ligação entre o mundo espiritual e o material. Os espíritos dos mortos ficavam livres na Terra e muitos ajudavam os druidas a fazer premonições e leitura de futuro. Também as mulheres mais velhas, chamadas de sábias, acompanhadas de seus gatos pretos, adivinhavam o futuro e davam conselhos. Para o povo, acompanhar as profecias e orientações era de grande conforto, pois acreditavam que isso os ajudava a proteger-se contra os perigos das trevas do inverno. Há uma grande discussão envolvendo o nome Halloween. Alguns bruxos acreditam que a origem do nome vem da palavra hallowinas - nome dado às guardiãs femininas do saber oculto das terras do norte (Escandinávia). Entretanto, a grande maioria afirma que o nome vem do inglês All Hallows Eve - que é o Dia de Todos os Santos do catolicismo, comemorado em 1º de novembro.





História das Bruxas


Não se sabe a exata origem das Bruxas, constam relatos de que elas existam desde os primórdios da humanidade. Há duas teorias para a existência de tais seres:

1) As práticas de bruxaria envolvem rituais simbólicos desde os tempos neolíticos. A primeira demonstração da arte de devoção foi encontrada em cavernas do período neolítico, onde havia ilustrações dos rituais de adoração às deusas da fertilidade dos povos primitivos. Dessa forma, as experiências visionárias, rituais de caça e cerimônias de cura sempre estiveram presentes nos símbolos e metáforas de cada cultura. Na Grã-Bretanha as sacerdotisas druidas estavam divididas em três classes. As que viviam em conventos num regime de celibato eram as da classe mais alta. As outras duas classes, que eram das sacerdotisas, podiam se casar e viver nos templos ou com os maridos e família. Com a era do cristianismo, foram denominadas “Bruxas” e perseguidas por muito tempo.

2) Durante a Idade Média toda e qualquer mulher que conseguia poder, passava a ser considerada bruxa. Bruxa em sânscrito significa “mulher sábia”. As bruxas eram denominadas sábias, até a Igreja lhes atribuir o significado secundário de mulheres dominadas por instintos inferiores. Sem mito algum, as bruxas eram apenas mulheres que conheciam e entendiam do emprego de ervas medicinais para cura de enfermidades, e colocavam em prática seus conhecimentos nos vilarejos onde habitavam. Com a chegada do Cristianismo, começando a imperar a era patriarcal, as mulheres foram colocadas em segundo plano e tidas como objetos de pecado utilizados pelo diabo. Muitas mulheres não aceitaram essa identificação e rebelaram-se. Essas, dotadas de poder espiritual, começaram a obter novamente o prestígio que haviam perdido o que passou a incomodar o poder religioso.
Perseguição às bruxas
Durante o século X e XII as bruxas ressurgiram, nesse período realizaram vários processos contra elas, promovidos pelo poder civil. No entanto, tal questão veio assumir um aspecto dramático a partir do século XIV, momento em que a Igreja Católica implantou os tribunais da Inquisição com o intuito de reprimir, tanto a disseminação das seitas heréticas como a prática de magia e outros comportamentos considerados pecaminosos. Nesse período, o fenômeno se caracterizou como manifestação coletiva, de profunda repercussão no direito penal, na vida religiosa, na literatura e nas artes. Dessa forma, para que a repressão fosse eficaz, os tribunais de Inquisição se proliferaram, e os processos aumentaram rapidamente. Segundo os teóricos do assunto, a epidemia de bruxas ocorreu nos séculos XVI e XVII, no norte da França, no sul e oeste da Alemanha e em especial na Inglaterra e na Escócia, a perseguição às bruxas foi metódica e violenta. Os colonizadores ingleses levaram esse procedimento para a América do Norte, onde, em 1692, ocorreu o famoso processo contra as bruxas de Salém, em Massachusetts. Normalmente, acusavam-se as bruxas velhas, e com menor freqüência as jovens.




Magias, Feitiços e Encantamentos.

"Para que a magia efetivamente aconteça, três fatores devem estar presentes: a necessidade, a emoção e o conhecimento." (Scott Cunningham) Antes de tudo, é necessário lembrar que a boa Bruxaria, sobretudo em relação à magia amorosa, não ensina a escravizar ninguém e nem impor a sua vontade às pessoas. A paixão pode ser provocada, NUNCA imposta. A Bruxaria respeita as Leis da Natureza, ensinando-nos a viver em harmonia com elas. O grande segredo é despertar o amor dentro de você, pois ele contagia, e seu perfume embriaga a quem estiver por perto...

Para atrair o ser amado:

Segundo as feiticeiras da Terra Nova, pegue uma maçã vermelha e perfure-a com uma agulha enquanto repete em voz alta o nome do seu amor. Numa noite de lua nova, durma com a maçã embaixo do travesseiro. Na manhã seguinte, lave e retire os caroços da maçã, amasse-a e misture-a ao recheio de uma torta feita em casa, que então será oferecida ao seu candidato para despertá-lo para o seu amor. (A maçã amassada também pode ser usada em várias receitas de bolos e biscoitos).


Para reivindicar os sentimentos de um amor perdido:

Enfie 2 alfinetes ou agulhas através de um pavio de uma vela acesa, enquanto repete em voz alta o nome do ser amado, cujo sentimento você anseia.


Para atrair um marido (ou esposa) rico:

Esfregue seu corpo por 5 dias com óleo de açafrão – raiz de uma planta da Índia Oriental (Curcuma longa) da família do gengibre. Este encantamento é realizado principalmente pelas mulheres em Orissa; contudo, pode ser realizado por um homem para atrair uma esposa.


Feitiço banidor do ciúme:

Você vai precisar de um pequeno jade, 10g de pétalas frescas de rosas, 1 cálice de vinho, 1 copo de água pura de fonte, raspas de suas unhas, 10g de folhas frescas de patchuli. Prealize o feitiço em noite de Lua Minguante, de preferência quando ela se encontrar no signo de Escorpião. No caldeirão, ferva a água. Quando estiver fervendo, abaixe o fogo e vá colocando os ingredientes, um a um, repetindo o encantamento: "VERDE DRAGÃO DO CIÚME, ABANDONA MEU PENSAMENTO. QUE O CIÚME EU POSSA VENCER, COM A FORÇA DO ENCANTAMENTO!" Após ter colocado o último ingrediente, apague o fogo e leve o caldeirão para tomar o sereno da lua, retirando-o no dia seguinte, antes do nascer do sol. Coe o líquido, coloque-o dentro de uma pequena garrafa e enterre-a em um jardim bem longe da sua casa .Queime o resto que sobrou e jogue as cinzas em água corrente. Com toda certeza, seus ciúmes desaparecerão como por encanto!

Hahahahahahaha!!! Esses feitiços e encantamentos selecionei pensando nas minhas amigas do MSM, cada qual que pegue o seu...

Eu creio em Bruxas, sejam elas Valentinas (do bem) ou Rasputinas (do mal), mas nesses feitiços e encantamentos, não acredito. Porém, se você está no desespero, nao custa tentar.
Boa Sorte e Feliz Dias das Bruxas!!!

(bruxas somos todas nós, mulheres)

Fontes: Planeta Web, Brasil Escola , Wicca

Continue Lendo »

terça-feira, outubro 30, 2007

terça-feira, outubro 30, 2007

Feliz Aniversário Lugirão



Hoje é aniversário da minha querida amiga Lúcia Girão, mãe de três lindos rapazes, Alexandre, Felipe e Vítor, seus ”bezerrinhos” como ela mesma os chama.

Lúcia é a própria Beth Boop, sua personagem preferida, cuja figura usa como avatar. Assim como a pin-up dos quadrinhos, Lucia é sedutora, alegre, ousada, brincalhona, de bem com a vida...

Lucia Girão, ou, simplesmente Lugirão, parabéns querida, que haja alegria e felicidade plena no seu coração em todos os momentos de sua vida. Que todos seus sonhos sonhados se realizem... Que você continue sendo essa mulher maravilhosa, sincera, minha companheira de loucas e alegres prosas no MSN, de troca de confidências...

Obrigada amiga por me fazer rir, por me escutar, aconselhar, por colocar um pouco da sua lucidez na minha “maluques”.


Beijos todos e mais um tantão!


De Mário Quintana, Procê:

Se for para esquentar, que seja o sol;
Se for para enganar, que seja o estômago;
Se for para chorar, que seja de alegria;
Se for para mentir, que seja a idade;
Se for para roubar, que se roube um beijo;
Se for para perder, que seja o medo;
Se for para cair, que seja na gandaia;
Se existir guerra, que seja de travesseiros;
Se existir fome, que seja de amor;
Se for para ser feliz, que seja o tempo todo!!!




PS: Imagem editada por JH especialmente para Lugirão


Meus agradecimentos à Maria Tereza Cichelli , a Brisa do blog Comentando o Comentado por ter indicado o "Ressaca di Homi"como destaque em seu post de hoje. Beijos Brisa, fiquei muito Feliz!


Continue Lendo »

segunda-feira, outubro 29, 2007

segunda-feira, outubro 29, 2007

Ana Maria



“Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.”
(Marta Medeiros)


Ana Maria, como toda mulher, desejava encontrar seu príncipe encantado.
Vivia sonhando com ele, sem ainda o conhecer... Até que um dia o encontrou, tal qual o imaginava nos sonhos. Tão feliz ficou que até pensou que seria para sempre. E quase foi mesmo...

Não fosse a inveja daquela outra, que ao ver a felicidade dos dois, resolveu tomar o Amor de Ana Maria.

Ana se viu às voltas com uma rival, não uma daquelas que se possa enfrentar, mas uma rival sem piedade, implacável, poderosa que quando quer, quer mesmo, e pelo que se sabe, nunca perdeu uma disputa

Tanto que Ana implorou, suplicou para que “Ela” não levasse o seu amor...

A desalmada não se comoveu e foi assim que Ele partiu com a outra, deixando Ana sozinha com a dor e a solidão.

Os dias foram passando, Ana se encolheu, se anulou, se entregou a uma profunda depressão e assim ficou, isolada de tudo e de todos.

Mas, se o tempo não cura tudo, mostra outros caminhos e Ana encontrou nova razão para continuar vivendo... Descobriu-se poeta e hoje vem poetando lindamente e através de seus versos pranteia sua saudade, o seu amor e seu desejo por aquele que lhe foi roubado pela Morte.



Dela:

SOB A LUZ DO LUAR

Seu corpo me chama
O meu se derrama
Todinho no seu.
Já não me pertenço
Sou delírio incontido
Um ser possuído
Perco-me de mim.
Só nos teus braços
Encontro os laços
Que me fazem só tua.
Em poucos instantes
Estou toda nua
E sem relutar
Começamos a amar
Sob a luz do luar
(ana maria)
Continue Lendo »

domingo, outubro 28, 2007

domingo, outubro 28, 2007

Aos Domingos


Aos domingos permito-me ser preguiçosa... Acordo tarde, não olho relógio e lanço mão de tudo que é "delivery". É tal de "disque café da manhã", seja qual hora for, "disque almoço", "disque lanche" e por aí vai...

Aos domingos, não me venham com as suas "problemáticas" porque não vou ter as "solucionáticas"...

E, por favor, não me telefonem para contar que aquela pessoa, sumida faz tempo, morreu de acidente e até já foi sepultada. Se nada mais posso fazer por ela, deixem para me dar a notícia na segunda feira, que já é dia ruim por demais da conta, uma ruindade a mais não vai fazer diferença.

Que o domingo seja o meu dia apenas. O dia que eu me "faxino" por dentro e jogo fora o que não vou querer levar para a semana que se inicia.

(Jesus ressuscitou num domingo, dizem as escrituras, e eu também me ressuscito a cada domingo).

Bom domingo a todos!



minhas palavras
saíram
pra tomar sol
e não voltaram
ou, quem sabe
se perderam
por aí
não quiseram
regressar
será que ficaram
na garganta
de alguém
feito colar?
mas
pensando bem...
pode ser
que tenham
se mandado
mesmo
só porque
é domingo
dia
de
esperar!

Marcia Cardeal
Continue Lendo »

sábado, outubro 27, 2007

sábado, outubro 27, 2007

Sábado Feliz


Todos os dias eu me reinvento... O ontem é passado, já foi.

E porque hoje é sábado, o dia que mais gosto, eu me imagino feliz e, de tanto imaginar, acabo acreditando nessa felicidade... E me faço feliz!

Um lindo dia a todos!



Se hoje cor eu fosse: Laranja e suas nuances
-quente, vibrante, positiva e estimulante
-Se hoje sabor eu fosse: Tinto
-delicioso, inebriante, dolente e perfumado
Se hoje odor eu fosse: Floral e amadeirado
-natural, marcante, feminino e doce
Se hoje ritmo eu fosse: Tango
-intenso, dramático, instigante e sensual
Se hoje sentimento eu fosse: Felicidade
-simplesmente.

(Márcia Clarinha)

... Por tambor telepatia
Por clip telefonia
Poema escrito na roupa
Bom mesmo é boca na boca
Por Pager via Embratel
Pelo vento por passa anel
Por átomos ou carro de bois
Bom mesmo é orgasmo a dois
Por cabo TV satélite por radio via internet
Bom mesmo é o tete a tete
Bilhete carta recado um bip sempre
ocupado
Bom mesmo é rosto colado...

(Itamar Assunção)

Continue Lendo »

sexta-feira, outubro 26, 2007

sexta-feira, outubro 26, 2007

Felicidade


O carinho de um amigo veio trazer cor a minha alma que hoje amanheceu cinza. Falo de Mä®k؆뮮ívë£, que me presenteou com esse lindo banner.

Amigo, nem sei como lhe agradecer, obrigada por ter me deixado feliz!

Alegrias sempre encontro nas amizades... Nos amores, quase nunca.

“Amigo é quem te dá um pedacinho do chão, quando é de terra firme que você precisa, ou um pedacinho do céu, se é o sonho que te faz falta...

Amigo é aquele que te diz "eu te amo" sem qualquer medo de má interpretação: Amigo é quem te ama "e ponto". É verdade e razão, sonho e sentimento. Amigo é pra sempre, mesmo que o sempre não exista”.
( Marcelo Batalha )




Continue Lendo »

quinta-feira, outubro 25, 2007

quinta-feira, outubro 25, 2007

Em Algum Lugar do Passado


Era um colégio de brancos, de brancos não, de brancas, já que somente meninas estudavam lá. Homem, só o padre, já velho e meio caduco.

Tinha quatorze anos e estava na oitava série... Até gostava de estudar, mas não naquele colégio reacionário. Odiava usar meus longos cabelos sempre presos, a saia abaixo dos joelhos e invejava as meninas da escola pública, bem ali ao lado, que podiam usar mini-saias e conversar com rapazes no portão.

As aulas de religião, verdadeiras torturas para mim. A professora era uma freira tão sem piedade, de olhar duro, que me parecia impossível que pudesse ensinar alguma coisa sobre o amor a Deus ou o amor e a misericórdia de Deus.

Aliás, misericórdia era uma palavra desconhecida para aquela mulher que via pecado em tudo e nos atemorizava com visões do fogo do inferno. Um suplício!

Estrategicamente, eu me sentava perto da janela que se abria para o jardim do colégio e me distraía olhando as borboletas, pássaros ou até uma abelha ou mosca que passasse voando, qualquer coisa era melhor do que encarar aqueles olhos de águia, as feições macilentas da freira professora.

Naquele dia, não sei se pelo calor demasiado, a aula estava insuportável, Irmã Dorothéia, esse o nome da bruxa, estava mais irada do que nunca, falando sobre os castigos de Deus a quem desobedecia as suas leis...

Eu tinha que escapulir dali... Foi quando, procurando uma rota de fuga, olhei pela janela e...

A primeira vista pensei ser uma estátua, lindamente esculpida em mármore, até que ela se mexeu e vi que era um negro, que cuidava das plantas...

Um negro tão negro que chegava a ser azul. Esfregava meus olhos achando que estava tendo uma visão, uma alucinação. O meu mundo não era habitado por negros, todos eram pálidos, brancos, quase transparentes. Jamais tinha visto um homem bonito assim, alto, musculoso, de dentes tão brancos.

Precisava vê-lo de perto, tocá-lo, saber se era real...

Coração disparado, pulso acelerado e aquela umidade por entre as pernas, até então por mim desconhecida, e, foi ela que me deu a idéia salvadora para sair da sala de aula...

- Irmã, eu preciso ir ao banheiro, fiquei menstruada e o sangue me desce pelas pernas...

Sem esperar resposta, saí correndo e me dirigi ao jardim ao encontro dele...

-Moço como se chama?
-É menina ou é um anjo?
- Sou mulher, diga seu nome e o que faz aqui.
-Meu nome é Obá e estou cuidando do jardim para pagar o pão e o leite que me deram.
-Obá? Nome esquisito...
-É Africano, significa rei
-Você é um rei?
-Eu não sou, mas, meus antepassados foram reis, rainhas, até que seu povo os escravizou...
-Não tenho povo, tenho família, amigos...
-Deixa pra lá meu anjo, você não tem culpa...
- Alguma culpa hei de ter, já que não sou anjo, sou mulher, já disse!
- Menina, anjo ou mulher, o que quer de mim?
-Quero você!
-Menina, menina, tem cara de anjo, mas precisa rezar para São Bento pra espantar o capeta que carrega aí dentro de você.
-Não quero saber de rezas nem de santos, quero você, já disse isso também.
- Já estou indo embora...
-Vou com você... Para onde vai?
-Vou cair no mundo, não posso levar você comigo...
-Não pode? Quem disse? Não me quer?
-Eu digo, não posso... e, quero sim, mas não devo
-Então me dá um beijo, na boca, de língua...

E já fui oferecendo os lábios... Ele então me beijou, um beijo molhado, sua língua mexia dentro da minha boca como se cobra fosse, provocava espasmos pelo meu corpo, me penetrava toda, eu totalmente possuída por ela...

Ele já se fora, mas eu continuava ali, por tanto tempo que nem sei...

Não sei também como voltei para minha casa, não sei o que aquelas pessoas todas que me esperavam falaram. Sei que nada disse.
Entrei para o meu quarto e continuei muda, ainda sentindo aquela língua dentro da minha boca...

Não podia falar, se abrisse a boca a língua dele poderia me fugir e partir atrás do seu dono, e, agora que a tinha não poderia mais ficar sem ela.

Muitos anos já se passaram, essa história ficou em algum lugar do passado... Será?

Até hoje ainda procuro, nas bocas que me beijam, a língua de Obá.
Continue Lendo »

quarta-feira, outubro 24, 2007

quarta-feira, outubro 24, 2007

Mesmo Tema... Ainda



Dizem que o amor está no ar... Será?

Navegando pela Net pode se concluir que o amor está nos "halos".

É só ter olhos para "ver" e coração para sentir que fica fácil perceber as mensagens codificadas, a troca de carinhos entre namorados virtuais.

O assunto tem me interessado e passei a procurar por esses apaixonados...

Um deles chamou, especialmente, a minha atenção, aquele que, de tanta paixão, se multiplicou, ou seja, se transformou em muitos, para declarar seu amor a uma única mulher. Bonito de se ler...

Será que alguém consegue explicar como, de repente, o coração começa a bater diferente por alguém que nem se sabe, ao certo, quem é?

(E esse alguém passa a fazer parte de você, dando um sentido diferente à sua vida?).

E você, mesmo à distância, pode sentir as mãos, o toque, os lábios, o beijo desse alguém?

Será que esse sentimento tem explicação? Eu não sei, só sei que ninguém está imune a ele, se ainda não aconteceu com você, é uma questão de tempo, pode acontecer! Mas, não é ruim não... É bom por demais da conta! Portanto, abra seu coração, "se jogue” e seja feliz!


Do Outro Lado da Tela

do infinito virtual
entre teu olhar e o meu
brilha a estrela do querer
que nos guia um para o outro

da ausente distância
entre teus lábios e os meus
brincam sensações inexplicáveis
incontidas... sem princípios

da prece do silêncio
onde somente nossas peles falam
teclam mãos em carícias imaginárias
de toques cegos mas que tudo dizem

do etéreo e eterno instante
na consumação do desejo
gritam vozes e gozos
da quase dor desse mistério

© Fábio Reoli

Mais do Poeta em Maternidade do Texto

*A imagem ganhei de presente do Artista que não quer ser identificado.



Continue Lendo »

terça-feira, outubro 23, 2007

terça-feira, outubro 23, 2007

E... Aconteceu comigo



Nunca fui de duvidar dos sentimentos dos outros, por isso acreditei na história daquela mulher que ao visitar a jaula do gorila no zoológico de Belo Horizonte pensou reconhecer os olhos do marido, já falecido, nos olhos do animal e por ele se apaixonou perdidamente...

Ou então na do rapaz que ao ver uma tela exposta por um desses pintores que exibem seus trabalhos em feiras, se apaixonou pela modelo e ao saber que se tratava de uma moça que o artista havia retratado nas ruas, comprou a tela e saiu com ela debaixo dos braços pela cidade, procurando a mulher que o havia encantado...

E ainda no caso da garotinha chinesa Hongxue relatada no livro “As Boas Mulheres da China” da Jornalista Xiran, que descobriu o afeto ao ser acariciada não por mãos humanas, mas pelas patas de uma mosca e passou a amar o inseto como se pessoa fosse.

Estranhas formas de amor, mas todas possíveis e aceitáveis para mim.

Mas... Quando aquela amiga me disse estar amando virtualmente, como duvidei desse amor. Achava ser uma fantasia de uma mente perturbada e não conseguia entender como alguém poderia se apaixonar por uma imagem ou algumas palavras na tela de um frio computador. Como amar alguém que não se sabe o cheiro, a textura da pele, o olhar? Cheia de empáfia diagnostiquei: Era caso de tratamento psicológico, tinha perdido a razão e necessitava de ajuda especializada, comigo isso nunca aconteceria, certeza (tinha).

Até que... Aconteceu!

Pois é, como diz o ditado: "língua fala, língua paga”!

“E naquela madrugada fria, você disse:
- Coloca sua mão na tela, amor...
coloquei...!!!
Sentes o meu calor ?
- Sinto com o coração...
ele é real.
A minha mão
na tua unindo,
o virtual e o real !
Agora já não há mais volta...
- Estamos amando...
Não há nada maior ou menor que um toque!"

(desconheço o autor desse poema)





Continue Lendo »

domingo, outubro 21, 2007

domingo, outubro 21, 2007

Meu Amor Chico Buarque



Muitos amores tive, amores que se foram e que poucas lembranças e marcas deixaram...

Nunca acreditei no amor para sempre, apenas no amor do momento, intenso, ardente, mas não eterno.

Porém, um amor permanece no meu coração desde criança, um amor diferente, mas mesmo assim Amor pelo Chico Buarque, o compositor do cotidiano, o Poeta da canção, o Homem de alma feminina.

Ninguém melhor do que Chico cantou as mulheres, as tradicionais e as irreverentes, todas foram lembradas por ele em suas canções.

Quantas vezes sonhei ser uma Carolina, que “nos seus olhos fundos guarda a dor de todo esse mundo”, uma Januária, aquela que até a maré homenageia, Beatriz, Yolanda, umas das mulheres de Atenas, “que tecem longos bordados e mil quarentenas”, ou até mesmo uma Geni, aquela que é “feita pra cuspir.” Melhor ainda ser a mulher liberada, a que após ter sido abandonada e rejeitada, pode encarar “olhos no olhos”, já refeita por outros amores. Qualquer uma dessas queria ser só para me sentir musa do Chico.

As canções dele, minha trilha sonora, versos vários, meus momentos em sua música...

♪Se lembra das fogueiras se lembra dos balões ♪

♪Quem é você? Adivinhe se gosta de mim ♪

♪E pelas minhas leis a gente era obrigado a ser feliz ♪

♪A felicidade morava tão vizinha que de tola até pensei que fosse minha ♪

♪Por que me incendiaste de desejo quando eu estava bem morta de medo♪

♪De pousar as coxas entre as minhas coxas quando ele se deita ♪

♪Que a saudade é arrumar o quarto do filho que já morreu ♪

♪Vasculhou minha gaveta me chamava de perdida ♪

♪Quando olhaste bem nos olhos meus e vi que seu olhar era de adeus ♪

♪Mas devo dizer que não vou lhe dar o enorme prazer de me ver chorar ♪

♪Deixa em paz meu coração ele é um pote até aqui de mágoas ♪

♪ Voltei ao nosso lar voltei pra me certificar que tu nunca mais vai voltar♪

♪Quando você me quiser rever já vai me encontrar refeita pode crê ♪

Se Chico canta a minha vida, eu sigo a vida sentindo e ouvindo Chico Buarque de Holanda, meu amor de sempre e para sempre...

(♪Mas finalmente é domingo, naturalmente eu me vingo, vou me esbaldar por ai♪)

Minha Música de Momento

Tatuagem
(Chico Buarque - Ruy Guerra)

Quero ficar no teu corpo feito tatuagem
Que é pra te dar coragem
Pra seguir viagem
Quando a noite vem
E também pra me perpetuar em tua escrava
Que você pega, esfrega, nega
Mas não lava
Quero brincar no teu corpo feito bailarina
Que logo se alucina
Salta e te ilumina
Quando a noite vem
E nos músculos exaustos do teu braço
Repousar frouxa, murcha, farta
Morta de cansaço
Quero pesar feito cruz nas tuas coisas
Quero te retalhar em postas
Mas no fundo gostas
Quando a noite vem
Quero ser a cicatriz risonha e corrosiva
Marcada a frio, a ferro e fogo
Em carne viva
Corações de mãe
Arpões, sereias e serpentes
Que te rabiscam o corpo todo
Mas não sentes

Continue Lendo »

sábado, outubro 20, 2007

sábado, outubro 20, 2007

Dia Dela

Cíntia Mineira Matuta Amiga do meu ♥


Que Deus esteja com você

durante todos os dias de sua vida.

Que haja muita paz,

muito amor no seu coração,

muita esperança no amanhã

muitas alegrias e emoções boas

no seu caminho.

Parabéns Querida

Feliz Aniversário

Que todos os seus sonhos se realizem!





De Mário Quintana Procê

Se as coisas são inatingíveis... ora!

Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!

Beijossssssssssssssss

Continue Lendo »

Minha Gratidão

Por todo o carinho que recebi, pelas mensagens (e imagens) aqui postadas e em outros espaços, pelas homenagens recebidas em vários blogs, pelos emails, muiiiiiiiito obrigada!
Fiquei feliz por demais da conta!

“Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro”.
(Leonardo da Vinci)

Vocês estão dentro do meu ♥!


Um presente muito especial

Recebi por email um lindo poema, composto especialmente para mim. Pensei em postá-lo aqui para compartilhar com Vocês a minha alegria, mas meu encantamento é tanto que, egoistamente, quero guardá-lo só para mim, com medo que essa felicidade me escape pela boca...

Indizível

não quero falar dele
seria diminuí-lo
palavra não abrange
sentimento
não quero expressá-lo
seria cobri-lo de sombra
palavra nenhuma tem luz
suficiente para o brilho dele
não digo
não falo
só o fecho nos lábios
e o desfolho no riso.

(Dora Vilela)
Continue Lendo »

quinta-feira, outubro 18, 2007

quinta-feira, outubro 18, 2007

Cumprindo Tarefa



Estava assim... até que recebi esta tarefa do Benno, O Poeta!


1ª) Pegar um livro próximo;

2ª) Abra-o na página 161;

3ª) Procurar a 5ª frase completa;

4ª) Postar essa frase em seu blog;

5ª) Não escolher a melhor frase nem o melhor livro;

6ª) Repassar para outros 5 blogs.(*)


O Livro: Budapest (Chico Buarque)


A Frase:"Caminhadas, só dentro do quarto, e outra coisa eu não tinha o que fazer o dia inteiro"


(essa frase se encontra no capítulo intitulado : "Ao Som de Um Mar")


(*) Quanto a repassar para cinco blogs, vai uma explicação: virgem ainda nisso de blogar, não conheço esse tantão de blogueiros, para os que conheço, o Poeta já repassou. Então, deixo a tarefa aqui, quem quiser que continue, quem não quiser... que não o faça.


Continue Lendo »

quarta-feira, outubro 17, 2007

quarta-feira, outubro 17, 2007

Obrigada Amigo!


Sem palavras para expressar meu carinho e gratidão pela sua generosidade em me socorrer e ajudar nessa última madrugada;
Pelas horas de sono que lhe roubei...
Por ter se doado tanto sem nada esperar em troca...
Obrigada Kane, meu Amigo!
Continue Lendo »

Mariza Lourenço

Eu amo essa Mulher, talentosa Escritora e Poeta de sensibilidade impar, minha amiga querida, por quem minha alma se apaixonou, desde que li seu primeiro verso...


Diário das horas
Mariza lourenço

I
bateram duas vezes à porta e minha disposição em abri-la é tão miúda quanto a certeza de que sobreviverei a mais um processo de desconstrução. não quero coadjuvantes. minha dor é egoísta. solitária. aguda.
e de dor eu entendo como ninguém.

II
sou mulher de prantos.
choro por tudo e nada. e o nada tem sido bem mais que tudo. choro manso pra despistar os demônios. choro baixo pra enganar meus fantasmas. ninguém desconfia de nada. e o mundo segue — presumivelmente — feliz.
sem mim.

III
sinto faltas essenciais: de algum amor, de alguma paixão, de algum sexo. e de tempestades. o que antes era profuso agora é reto. e esta linearidade me apavora. não estou preparada para viver em calma perpétua. quase morta.
ainda não.

IV
passei metade da vida levantando bandeiras e tentando compreender meus abismos. passei a vida inteira carpindo a dor alheia e perdendo meus sonhos em qualquer lugar.
logo eu, que nunca soube advogar em causa própria, apostei todas as fichas no mesmo jogo.
e perdi.

V
confesso que fui muitas sem ser nenhuma. confesso que me apaixonei demais e amei de menos. confesso que não me lembro de alguns cheiros. de algumas carícias. e do meu primeiro beijo.
se, hoje, vomito lembranças é pra justificar esta minha condição de puta.
de um homem só.

VI
entre meus dedos, o terço — presença física de minhas crenças — queima. ando esquecida dos mandamentos. e já não sei onde foi parar meu último pecado. aquele do qual nunca me arrependi.
a imagem da Virgem me enxerga, entende e consola.
ah!, Senhora, estou nua. tem piedade de mim.

VII
foi por minha conta e calculado risco que me meti em claustro (mais uma vez) e calei a boca (mais uma vez).
batem novamente à porta. (estou assustada). do lado de lá esperam pela mulher de sempre. pelo riso fácil. pela boca pródiga em contar histórias.
do lado de lá esperam por respostas que não tenho.
nem pra mim.

Continue Lendo »