terça-feira, novembro 06, 2007

terça-feira, novembro 06, 2007

O Poeta

“Mais vale sonharmos a nossa vida do que vivê-la, embora vivê-la seja também sonhar”.
(Marcel Proust)

Este post é dedicado ao Poeta, não a qualquer poeta definido pelo dicionário como “aquele que faz versos; que tem inspiração poética ou caráter idealista; sonhador; que traduz em verso o sentimento do belo”, mas sim a um Poeta em especial, aquele que me fez voltar a sonhar...

Estou falando de Benno Assmann, ou melhor, gostaria de falar sobre Ele, mas impossível encontrar palavras que possam expressar a admiração que lhe tenho. Não sei falar sobre Ele, só sei senti-Lo.

Um homem sensível, sincero, de sentimentos nobres, um ser humano da melhor qualidade... O Poeta dos lindos olhos azuis!

Benno Assmann, Gaúcho de Porto Alegre, Engenheiro Eletricista e de Petróleo, Mestre em Engenharia Mecânica, Técnico em Mercado de Capitais, Bacharel em Direito, atualmente se dedica à sua Tese de Doutorado em Engenharia de Automação e Mestre na arte de poetar.

Seus poemas aquecem e fazem disparar meu coração, encantam a minha alma e arrepiam a minha pele.

P♥eta, P♥eta, uma alegria enorme poder postar seus versos, obrigada por ter permitido. Meu carinho, meu beijo.


Credo


creio

piamente

em tua boca

e no céu

que lá existe

(único céu

que ainda me resta

: o outro

para sempre

jaz perdido)

creio no santo poder

dos teu olhos

sobre meu ser

(dos meus

inconfessáveis pecados

fazem be-atos)

sob a luz

que emanas

em meu caminho

tudo é sagrado

mas se na escuridão

de tua lamentada ausência

trevas

(só a luz do teu olhar

acende meus faróis)

creio sobretudo

na divindade

de tua pélvis

(apaixonadamente

ali mergulho

: batismo de sangue)

teus olhos são-me guias

abrem olhos antes cegos

a verdade que mora em teu ser

dissipa nuvens eternas

do contumaz ceticismo

que me anuvia

derrete seu calor

as neves sempre brancas do meu gelo

trocaria a eternidade

por um breve momento ao teu lado

e todas as minhas idades

vividas ou ainda por viver

todos beijos que já sonhei

por um único beijo teu

resignar-me-ia até à eterna dor

para ter um breve instante do teu amor

Benno Assmann
Mais do Poeta em Noites Insones